jump to navigation

Família ê, família á, família… julho 30, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in amigos & familia.
4 comments

Fam�liaSexta-feira meus pais chegaram em Columbus. Fui trabalhar pela manhã na Nationwide e me liberaram para trabalhar à tarde de casa. Vantagens de se trabalhar com um laptop. Meio-dia vim pra casa e uns 10 minutos depois eles chegaram. Tão bom receber os dois na minha casa. Ainda tá difícil de acreditar que eu moro em outro país, tenho minha própria casa que pago sozinha e estou podendo receber meus pais aqui. Mó orgulho… 😉 Eles adoraram o apartamento. Acharam enorme, hehe.

Como de costume eles não pararam quietos na sexta. Mesmo tendo passado a noite anterior viajando.

À tarde fomos andar por aí e eles me acompanharam quando fiz meu piercing na cartilagem da orelha (fotos em breve). À noite ainda fomos numa boate onde tocou a banda brasileira e estavam todos os meus amigos. Eles voltaram cedo pra casa pois estavam mortos e eu ainda fiquei badalando até umas 4 da manhã. Dormi pouco à noite pois toda vez que tentava me virar pra direita minha orelha doía.

Sábado passamos o dia no Easton. Já compramos algumas coisas pra casa, fomos na loja da Apple e tirei todas as dúvidas quanto ao Notebook. Está decidido qual vou comprar! Uhuuuu! Agora preciso encomendá-lo pela internet pois vem personalizado da maneira que eu quero.

Meus pais vão ficar três semanas em Columbus. Engraçado que às vezes parece que eles sempre estiveram por aqui comigo e já tem um ano que viemos juntos pra cá. Não temos grandes planos. Um finde vamos para Pittsburgh (Ikea, conhecer a cidade e Falling Waters). No resto do tempo eles vão me ajudar com o que falta ajeitar no ape e vamos curtir um tempo em família. Semana que vem temos um jantar na casa do Brian, meu orientador. E na sexta vamos receber uns amigos em casa.

Anúncios

MEGA análise da carreira (Parte III) julho 28, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in divagacoes.
9 comments

Siemens

O meu sonho sempre foi fazer mestrado no exterior. E eu vi a oportunidade de ir trabalhar na Siemens como uma forma de entrar no país, melhorar o inglês, fazer uns contatos e de lá buscar o mestrado. Os 6 primeiros meses de trabalho foram bons. Aprendi bastante sobre usabilidade e design de interfaces principalmente. Foi interessante participar de conference calls com gente da Alemanha, China e outras partes dos Estados Unidos. Nunca me imaginava fazendo tais coisas. Isso tudo foi me dando mais confiança.

Meu contrato na Siemens era de 6 meses e terminava em dezembro, antes do Natal. As aplicações para mestrado começaram no final do ano e eu queriarenovar meu estágio por mais tempo para aproveitar a oportunidade de estar nos Estados Unidos para aprender mais, fazer cursos e tambem buscar o mestrado. Depois de uma “novela” consegui renovar meu estágio e pedi mais 8 meses. Eu tava passando por uma fase meio “deprê” da vida então não estava com motivação para aplicar pro mestrado. Estava pesquisando aqui e ali mas não tava tomando nenhuma ação. Como estava desfocada fui perdendo vários prazos de várias universidades.

Virou o ano e eu me toquei que se eu nao agisse rápido eu ia perder a oportunidade desse mestrado. Perder a oportunidade de pelo menos tentar. E eu não queria esperar mais um ano só para tentar. Aquele era o momento! Então tirei motivação do fundo do âmago e fiquei trabalhando direto, fins de semana inteiros para preparar minha documentação, meu site, meu portfolio impresso e tudo mais que precisava. Primeiro apliquei para o Interaction Design Institute na Italia! Cheguei a ser entrevistada por telefone pela diretora da escola (inglesa), um professor israelense e um professor alemão. Acabou não rolando com essa escola pois eu precisava de bolsa integral e ainda receber grana e eles não providenciavam isso.

Em Janeiro entrou um cara novo na Siemens que tinha acabado de se formar pelo mestrado em design da Ohio State. Falei com ele que estava procurando mestrado e ele me deu mó força para aplicar. O prazo (que era 15 de Janeiro) já tinha passado mas ele me deu o tel de um professor e disse para ligar. Liguei e ele disse que era para eu enviar meu material mesmo assim.Aprontei tudo e mandei! Pra encurtar a historia já que esse post está ficando longo: Fui aceita pelo departamento de design da Ohio State, Brian Stone seria meu orientador e ainda consegui um emprego no campus que paga todo o valor da minha faculdade e me dá um salário. Aquele sonho do mestrado em design no exterior de graça ia finalmente se realizar! Nem estava acreditando…

Ohio State

Depois de passar 2 meses no Brasil “esfriando a cabeça”, no final de agosto do ano passado eu vim de mala e cuia para Ohio. O primeiro ano do mestrado foi super puxado. Como eu ralei! Mas fui bem. Aprendi demais. Minha tese está evoluindo numa direção que me anima muito.

Agora, sem aulas, estou aproveitando para estagiar na Nationwide. Está sendo legal poder fazer 2 projetos em flash pois estou aprimorando esses conhecimentos e agora não tenho mais medo de flash. Apesar de estar gostando dos meus projetos, percebi que a nationwide nao é o q eu quero pra mim. Nem Siemens e nem ANP. Pode até parecer estranho, mas o trabalho que chegou mais perto do meu ideal foi a Metatron pq tinhamos sempre projetos novos, sempre novos desafios, estavamos sempre criando e envolvidos em coisas novas. Íamos pra clientes, criávamos sempre, fiquei um tempo na globo. Foi o trabalho que mais gostei. Outro trabalho que amei foi o do curso abril, mas foi so por um mês.

O que eu quero para o meu futuro?

Eu quero aproveitar essa fase da minha vida pra me focar e evoluir MUITO na minha carreira. E o filme Piratas do Caribe, acreditem ou não, me trouxe uma mega análise da minha carreira. Não sei porque esse filme em particular despertou tantos pensamentos, mas algo “clicou” dentro de mim e isso foi bem importante

Foi super legal assistir ao filme todo com comentários do Johnny Depp e do diretor. Fica claro que eles têm uma enorme paixão e se orgulham daquilo que fazem. Um comentário que ouvi do Johnny Depp foi “Do I get to do this for a living? Do I get paid for this? This is so much fun…”

A conclusão é que eu vou ser muito mais competente se trabalhar em algo que eu seja totalmente apaixonada. Pq aí vc se dedica sem esforço e tem as melhores idéias. Se vc vai pro trabalho todo dia achando aquilo mais ou menos vc nunca vai sair do mediocre.

Nationwide. Siemens. ANP. Em todos os meus últimos empregos eu não tinha paixão. Uma coisa é certa: Sou apaixonada pelo meu mestrado. Eu me dedico porque realmente quero e acabo tendo ótimos resultados.

Tenho certeza que seria feliz numa empresa criativa, com muitos projetos interessantes. Assim como tenho certeza que nao seria feliz em uma grande corporação, como foi o caso da ANP, Siemens e Nationwide. Todas são nomes de peso no meu currículo e me pagaram bem, mas em termos de realização profissional só foram legais no inicio.

Eu quero um lugar onde possa criar, inovar e fazer uma diferença. Pq em grandes corporacoes vc acaba sendo mais um do proletariado… Nem precisa me pagar uma fortuna q eu vou. Melhor do que ganhar o dobro na Nationwide, comprar carro, casa,computador, etc e tal e nao ser realizada profissionalmente. Pra mim realização profissional está acima de tudo. Eu não ligo tanto pra dinheiro ao ponto de por minha satisfacao profissional de lado.

Eu estava conversando sobre isso outro dia com o cara q trabalha comigo na Nationwide. Ele disse que em grandes corporações vc ganha mais, trabalha só de 8 as 5, tem segurança no emprego mas não faz um trabalho tão criativo. Em agências de design você ganha menos, trabalha mais (às vezes virando noite), não tem tanta seguranca, mas faz um trabalho super criativo e tem sempre novos desafios.

O que eu prefiro? Nem tenho dilema quanto a isso.

Alguém acha que vou ficar numa Nationwide da vida por causa de segurança de trabalho?! Segurança de trabalho se faz sendo bom profissional e competente.Assim nunca falta trabalho e nao é preciso ter medo.

MEGA análise da carreira (Parte II) julho 27, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in divagacoes.
7 comments

Samparalela
(cartaz de divulgação do nosso projeto do Curso Abril. Eu sou a da esquerda, para quem não percebeu… Para acessar o projeto, clique aqui)

Curso Abril

No início de 2003 eu apliquei para o Curso Abril de Jornalismo da Editora Abril em São Paulo. Curso disputadíssimo, oferecido todo ano. De mais de 2000 aplicantes do Brasil todo, eles selecionam umas 60 pessoas entre designers, fotógrafos e jornalistas. Enviei meus trabalhos e fui selecionada! E lá fui eu de mala e cuia pra São Paulo ficar um mês totalmente imersa no curso e fazendo um projeto. Foi um MEGA desafio na minha vida principalmente pq tivemos que desenvolver um projeto inovador e online para a Editora Abril. Algo que ainda não existia. Em um mês tivemos que conceituar um projeto, criar uma marca, fazer o design, tirar fotos, entrevistar pessoas, filmar, escrever matérias e criar um personagem. E eu ainda tive que voltar duas vezes para a UFRJ pois tinha provas finais para fazer. ARGH!

Eu não conheci nada de São Paulo de tanto que trabalhei. Nos últimos 3 dias do curso eu nem sequer saí da Abril. Eu e Dani passamos 3 dias dormindo 2 horas por noite no fumódromo da Abril (o único lugar que tinha uns sofás) para conseguir terminar o projeto a tempo de apresentar. Nunca me senti tão trash na vida, mas determinação é isso aí! No final das contas recebemos elogio do Roberto Civita, presidente da Abril, e dos 60 alunos do curso, 4 foram escolhidos para fazer entrevista para trabalhar na Abril. E não é que EU era uma das 4?! Nem tava acreditando naquilo tudo. Eu pensava “Pq logo eu?”. Mas lá fui eu para São Paulo fazer entrevista para esse emprego. Na época eu morava com o Bruno mas estava determinada a ir para São Paulo caso a Abril me quisesse. Dos 4 designers entrevistados, 2 foram selecionados e eu fiquei de fora. Lembro de ter chorado tanto no colo do Bruno aquela noite. Parecia uma bebezinha. Mas… há malas que vão para Belém.

ANP

Pouco tempo depois um amigo que fiz no Curso Abril disse que na empresa da namorada dele estavam precisando de designer. E lá fui eu trabalhar na ANP (Agência Nacional do Petróleo) no projeto de criação da Intranet e identidade visual dos sistemas. Os primeiros meses foram ótimos. Muita criação, aprendizado e interação com a designer da Bahia. Mas depois o trabalho caiu num marasmo só. E eu fui ficando lá por acomodação. Me faltavam forças porque nessa época minha vida pessoal tinha dado uma reviravolta. Terminou o namoro com o Bruno, voltei pra casa dos meus pais e me envolvi com o pior cara q já passou pela minha vida. Sofri horrores naquela época, me desliguei um pouco daprofissão. Por isso me acomodei por 1 ano na ANP.

Até que um dia a Leiloca me manda um e-mail de uma vaga de estágio no User Interface Design Center da Siemens em Princeton, New Jersey. Naquele dia mesmo já fiquei acordada até tarde traduzindo meu currículo para inglês. E nos outros dias já fui escrevendo minha carta de apresentação, fazendo meu portfolio em inglês e me comunicando com a designer lá da Siemens. Mandei meu material e marcaram uma entrevista comigo. Por telefone e em inglês. Estava tensíssima no dia da entrevista mas fui bem. Entendi tudo e falei bem. Tinha que esperar uma semana para receber o resultado.

Lembro bem do dia que fiquei sabendo que eu ia para a Siemens. Estava sentada no meu quarto, meu pai em pé do meu lado. Chequei meu e-mail e lá estava uma mensagem do famoso “Mr. Dai”. Começava assim “We were very impressed…” E eu nem conseguia ler direito aquele e-mail. Outra frase começava assim “We would like to offer you a position as intern in our department…”. Eu dei um grito na hora chamando minha mãe. Mistura de empolgação e muita preocupação. Parecia que estava escrito “agora fudeu” na minha testa! Minha vida começou a mudar naquele dia.

(continua…)

MEGA análise da carreira (Parte I) julho 26, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in divagacoes.
2 comments

Mais um capítulo para concluir minha fase de sonhos e análises.
(Este post ficou tão grande que resolvi dividi-lo em etapas)

Vamos começar do começo…
Quando estava prestes a fazer vestibular um orientador vocacional foi na minha escola e eu disse que tinha interesse em trabalhar com “computação gráfica”. Esse era o nome que estava na minha cabeça no momento. Mal sabia eu que queria trabalhar com design. O orientador me deu duas opções: Informática, caso eu quisesse ir para o lado mais lógico ou Desenho Industrial, caso eu quisesse ir para o lado mais artístico. A desorientada aqui acabou escolhendo Informática por achar que não tinha muito a ver com “artes”.

Tinha acabado de voltar do intercâmbio e fiz vestibular para UFRJ, UERJ e PUC. Passei pras 3 e escolhi a UFRJ. Chegando na faculdade de Informática eu fui percebendo aos poucos que não era bem aquilo que eu queria. Em um certo ponto eu percebi que não era MESMO aquilo que eu queria fazer. Mas esse “erro” acabou sendo um benefício indireto pois eu era uma das poucas designers que entendia do aspecto técnico do trabalho e conseguia me comunicar com os nerds programadores 😉 E por isso que eu não larguei minha faculdade. Fui aprendendo design na prática enquanto finalizava minha faculdade. E, ainda no fundão, eu sonhava em um diafazer mestrado em design fora do país e de graça. “Um sonho”, eu pensava. Mas pra sonhar a gente não precisa de limites, não é mesmo? Então se é pra sonhar, sonha direito!

Em 2003 terminei a faculdade de Informática na UFRJ. Sobrevivi a 5 cálculos,muita matemática, 3 físicas e muita dor de barriga antes das provas. Muitas noites sem dormir só “programando”. Muitos fins de semana longe do namorado para fazer algo q eu não tinha paixão. Como eu odiava aquilo tudo! Mas queria estudar o máximo para me formar o mais rápido possível. Acabei me formando com Coeficiente de Rendimento (CR) 8.0, coisa raríssima na Informática da UFRJ. Eu conto nos dedos de uma mão as pessoas na minha turma que se formaram com CR 8ou acima. E ainda fechei com um 10 na tese. Determinação é isso aí.

(continua…)

Eu e minha obsessão por Jack Sparrow julho 25, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in divagacoes.
58 comments

Jack Sparrow

Ok. Quando foi a ultima vez que voce ficou apaixonada por alguem do mundo do entretenimento? A minha foi mais ou menos aos 13 anos (menos da metade da idade que tenho hoje). Era apaixonada por Axl Rose, vocalista do Guns n’ Roses e depois por Paulo Ricardo, vocalista do RPM. E foi so’. Nunca fui dessas de ficar colecionando fotos e recortes de revista.Agora vamos ao ponto do post. Estreou Piratas do Caribe II aqui nos Estados Unidos. Como eu nem tinha visto o primeiro, ha 2 semanas atras reunimos umas pessoas na casa do Paulo para assistir. O filme terminou e eu ainda estava meio em estado de choque. O que foi aquilo, meu Deus? Precisava conferir o segundo…

Na semana seguinte fomos ao cinema para assistir Piratas do Caribe II. E o personagem do Johnny Depp esta ainda mais bonito e mais charmoso. Toda vez que ele aparecia na tela eu ia pra ponta da minha cadeira e nem conseguia ouvir o que os outros falavam. Voltei do cinema e “me peguei” baixando fotos de Jack Sparrow na internet. Meu wallpaper de casa e do trabalho agora pertencem a ele. Outro dia fui na Target pra comprar algo totalmente diferente e quando entrei pensei “Se Piratas I estiver por menos de $15 eu compro!” E estava. E eu comprei. Cheguei em casa e enquanto tomava banho deixei o filme rolando. Nunca fui de fazer isso.

Por um momento eu fiquei me sentindo uma adolescente com toda essa historinha. Mas logo depois parei para analisar a situacao. Eu pensei tanto na vida enquanto via o 2o filme que os produtores nunca devem ter imaginado que fariam alguem pensar tanto. Em varios aspectos da minha vida. Nao e’ algo tao superficial como “Nossa, q gato esse pirata”.

Ok. Vamos comecar pelo aspecto homem da coisa. Nunca vi homem mais charmoso em toda a minha vida. O jeito de olhar, andar, falar e tudo mais. Num aspecto mais “profundo” o que me “fisgou” foi o que esse homem representa. Alem de lindo e charmosissimo, representa um cara safo, aventureiro, sem medos e nem um pouco convencional. Acertou em cheio meu ideal de homem. Ainda neste quesito, outro pensamento me veio a cabeca “Ok. Johnny Depp e’ americano. Nao e’ possivel que nao tenha UM americano interessante nessa terra.” Alias, o filme deve ter muita gente interessante na equipe pq se nao fossem interessantes nao fariam um filme assim. Entao onde estao essas pessoas? Todas em Hollywood? Pq em Columbus elas nao estao.

O filme desencadeou toda uma serie de pensamentos e divagacoes. Alem do aspecto Jack Sparrow da coisa fiquei pensando que deve ser o maximo trabalhar num projeto como esse. Super trabalho em equipe, resultado espetacular, pessoas interessantes. Quem trabalhou nesse projeto deve ter muito orgulho do trabalho que fez e devia ir feliz da vida pro trabalho todos os dias. Isso me fez fazer mais uma daquelas mega analises da minha carreira. Nao quero um trabalho mediocre, com pessoas mais ou menos. Quero um trabalho que va causar um impacto, que alguem va olhar e falar “Que foda!”, que va me tirar da cama todo dia de manha com empolgacao, que va fazer com que eu me orgulhe.

E pensando na equipe que produziu o filme. Mais uma serie de pensamentos… Quero conviver e trabalhar com pessoas criativas, originais, que tenham algo a acrescentar. Pessoas nao convencionais. Nao quero nada convencional. Morro de medo do mediocre.

O filme me fez pensar tanto nessas e em tantas outras coisas que cheguei do cinema com a cabeca a mil. Encontrei com o Gui online e da-lhe caracteres! Escrevi como uma metralhadora, pensei mais ainda. Olhava pra foto do pirata e os pensamentos voltavam. Naquela noite ate’ insonia eu tive.

Resumo da opera: Foi otimo ver o filme e mais uma vez colocar minha vida em perspectiva. Me ajudou a ver o que eu quero e nao quero pra mim. E’ claro que agora nao ha nada que eu possa fazer. Ainda tenho 2 anos de mestrado em Columbus mas ja posso ir me preparando para a vida que eu quero, sem perder o objetivo. Eu tenho um ima de geladeira que traduz bem isso tudo “Go confidently in the direction of your dreams. Live the life you have imagined!” E e’ isso ai. Voce imaginou uma vida pra voce? Entao viva ESSA vida. Corre atras! Nao se contente com o “mais ou menos”

Agora voltando ao assunto inicial… deu para ver como um filme “pipoca” pode desencadear pensamentos existenciais da vida de uma pessoa? Quem diria… E viva Jack Sparrow! 😀

Isso aqui iô iô, é um pouquinho de Brasil iá iá julho 24, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in viver nos EUA.
3 comments

Domingo foi mais um dia de velejar com os amigos. Ja’ e’ o 3o fim de semana seguido que passo um dos dias vejelando no barco do Ze. E e’ sempre a maior alegria. A comecar pelo Ze (nosso capitao) que e’ uma alegria em pessoa. Ta sempre animado, cantando e dancando. Tem musicas otimas. Quando alguem comeca a ficar de frescura o Ze ja fala “Ah fulano, viva a vida plenamente!” E o pessoal mantem isso em mente.

Domingo fez um dia lindo de sol. Ficamos no barco de 2 da tarde `as 10 da noite. Essas festas sempre duram um dia inteiro. Todo mundo dancando, bebendo e comendo o dia inteiro. A dieta ficou de lado no finde e eu acabei ganhando os quilos que tinha suado para emagrecer durante a semana. E agora recomeco aquela dieta religiosa. Vamos ver se da pra emagrecer um pouquinho pq ta fogo! Esse negocio de muita diversao e’ otimo, mas dificil manter uma dieta.

Esse fim de semana conheci mais uma brasileira, a Roberta de Sao Paulo. Ela esta aqui como Au Pair e e’ super gente fina. Ela ja morou um ano na Australia e conversamos bastante. Me deu uma vontade de ir pra Australia!!! Um dia eu vou, gente, se possivel para ficar uns meses. A verdade e’ que eu ainda quero viajar muito pelo mundo…

Mi casa, Su casa julho 22, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in viver nos EUA.
5 comments

SalaEu analiso demais minha vida nos Estados Unidos e os 3 aspectos de morar aqui que estão 100% são: Meu mestrado, meu orientador e minha casa. Faz um tempo que eu percebi como dou valor a minha casa e agora ter meu próprio apartamento”não tem preço”. O apartamento é lindo, tem um preço que dá pr a pagar e ainda fica na melhor área da cidade (na minha opinião). Várias lojas e galerias moderninhas, bares e restaurantes, supermercado do lado de casa, parque e ônibus. Ainda fica perto da universidade e do meu trabalho de verão. Para Columbus acho que não poderia ser melhor.

Com meu salário de estagiária da Nationwide eu consegui alugar esse apartamento e ainda mobilha-lo todo do zero. Coisa que no Brasil seria impossível. Uma coisa é certa: viver aqui é muito fácil! Algueis são acessíveis, móveis também. Compra-se muita coisa usada, vários produtos baratíssimos. Atendimento ao consumidor é algo que funciona.

Local de trabalhoUma das coisas boas de morar em Columbus é que aqui é uma cidade muito barata de se viver. E isso é o ideal para uma estudante do núcleo pobre da novela. Atualmente eu estou no lado “classe média” da novela pois estou estagiando na Nationwide e ganhando relativamente bem. Mas quando o verão acabar eu volto pro meu emprego na revista e volto a ganhar pouco. Mas enquanto o verão não acaba eu vou aproveitando: apê novo, móveis novos e mês que vem compro meu primeiro laptop, o MacBook Pro.

Groove is in the heart julho 21, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in profissao, viver nos EUA.
2 comments

5a feira foi um dia cheio. Durante o dia no trabalho tive minha avaliacao de desempenho. Meu gerente escolheu tres aspectos para me avaliar: “Learning on the fly”, “Functional/Technical” e “Interpersonal Savvy”. Em cada aspecto voce sabe se nao atingiu, atingiu ou excedeu. Para minha surpresa atingi todos e excedi o quesito “tecnico”. Eu que comecei o projeto na Nationwide morrendo de medo do flash acabei me saindo bem. Agora finalmente sinto que “sei” flash. Ou seja, nao tenho mais medo de trabalhar com isso. Meu proximo projeto sera meu proprio site. Em Flash! Nem acredito que finalmente estou desenvolvendo em flash depois de tantos anos de “trava”. Estou feliz com isso. Quero praticar bastante para ficar muito boa pois e’ inadmissivel uma designer de aplicacoes interativas que nao sabe flash. E aqui na Nationwide vou continuar assim, desenvolvendo meus dois flashs. Sao dois projetos enormes. Cheio de areas e conteudos. Vai ser legal ter mais 2 projetos ao final do verao.

No final do dia fui a academia pois 4a cheguei em casa tao cansada e com tanta fome que nao consegui fazer mais nada. Fiz uns 55 minutos de transport, suei como uma condenada. Sempre depois me sinto bem. Ainda “levantei uns ferros” pra finalizar o exercicio. A academia daqui ‘e uma coisa de louco. Nunca vi uma academia tao grande e com tantos recursos. Maaaaas… falta o aspecto humano da coisa (como em varios lugares dos EUA). Nao tem professores de musculacao acompanhando seu treino e as aulas sao fraquissimas. Acaba que cada um “inventa” sua propria rotina de malhacao, ninguem fala com ninguem e ninguem orienta. E me perguntem se eu prefiro a Pro-Limits ou a academia da Ohio State. Pro-Limits na cabeca!!! A academia e’ pequena, mas tem os aparelhos necessarios, professores atenciosos e aulas maravilhosas e variadas. Enfim…

A noite fui a um Lounge com o Ze perto aqui de casa. Nas 5as a noite tem um DJ tocando chill-out. Adorei o tipo de musica e o lugar e’ bem tipo moderninho. Mesmo sem ter comprado meu laptop fiquei com vontade de levar meu mac pra la e ficar trabalhando. Acho que vai ser legal poder trabalhar em lugares diferentes. Ajuda mudar de ambiente. La bebemos vinho, rachamos uma tabua de queijos e comi uma salada de mussarela de bufala com tomate. As vezes e’ bom ir num lugar mais sofisticado.

De la fomos para o Skully’s onde toca musica dos anos 80 nas 5as feiras. Bem divertido como sempre. O legal e’ que, alem de gratis, tem todo tipo de gente la. E’ divertido as vezse ficar so reparando nas pessoas. Tem um palco enorme onde muita gente fica dancando. Normalmente tem varias bichas loucas dando literalmente um show. Muito divertido! Nao tem como nao se animar perto de uma bicha dessas.

O que é (e o que nao é) esse blog julho 20, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in divagacoes.
6 comments

Depois de 2 anos o Designando mudou de casa. Eu nunca achei que fosse sucumbir a ideia de ter um blog. “Nao sou dessas coisas”, pensava. Mas surgiu a oportunidade de morar fora do pais e o mundo virtual ganhou uma importancia maior na minha vida. Agora estou eu aqui com blog pessoal, blog da tese, site, fotolog, MSN, skype, orkut e facebook. E eu adoro manter contato com meus amigos “virtuais”. Tenho tantos amigos queridos no Brasil que diariamente fazem parte da minha vida de uma maneira ou de outra.

Bom, mas voltando ao assunto do post. Esse blog comecou em Maio de 2004 assim que eu soube que iria morar em Princeton, NJ, para trabalhar na Siemens. A ideia principal do blog era para que amigos e familiares pudessem ficar sabendo o que eu estava aprontando na gringoland. Acabou que, alem disso, o blog virou uma terapia pra mim. Escrever aqui sempre me ajuda a botar as ideias no lugar e desabafar. E’ como se aqui eu tivesse um amigo daqueles que ta sempre disposto a ouvir. Entao acabou que o blog nao e’ mais algo feito para os outros e sim para mim. Uma epoca recebi um comentario de que meu blog nao passava de um diariozinho com acontecimentos sem interesse. Isso mesmo. Diariozinho. Mas e’ o MEU blog, da licenca? Eu nao escrevo aqui sobre novas tendencias do design e acontecimentos do mundo. Escrevo muito mais sobre minha vida, sobre meus pensamentos. Se estiver interessado, otimo. Se nao, dane-se tambem. Adoro receber comentarios mas mesmo sem comentarios continuo escrevendo aqui. Alem do lado terapeutico da coisa o blog ainda serve como um otimo arquivo de tudo que ja passei nos Estados Unidos. E’ muito legal ler meses passados e lembrar do que eu estava passando em determinadas epocas.

Entao e’ isso. Designando de casa nova. Espero agora nao ter que mudar mais. Em breve eu linko os meses anteriores do blog antigo para manter o historico.

Sejam bem vindos 😀

Designando de casa nova! julho 20, 2006

Posted by Melissa Quintanilha in Uncategorized.
4 comments

Finalmente o designando está de casa nova. Levei tanto tempo pq queria coloca-lo no blogspot.com. Mas designando.blogspot.com já estava cadastrado, sem conteúdo nenhum lá. Tenho quase certeza que fui eu que cadastrei mas não consegui recuperar a senha. Então resolvi deixar isso tudo pra lá e hospedar meu blog no wordpress. Me disseram que aqui é muito bom. O único porém é que é um pouco mais difícil de customizar o layout. Mas já vi que posso mudar a barra superior e tal. Então tá bom, né? O que importa é que agora o blog tá de casa nova e posso voltar a postar sem culpa. ;P