jump to navigation

Essa minha vida virtual fevereiro 6, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in divagacoes, saudade, viver nos EUA.
trackback

Eu sempre fui muito internetica mas quando vim morar fora do Brasil o mundo virtual ganhou uma maior importancia na minha vida. Por um bom tempo eu contava praticamente so com a internet como fonte de carinho. Triste, nao? Mas era verdade. Hoje em dia e’ o complemento mais importante `a minha vida aqui. Posso dizer que aqui sou viciada em internet mas no Rio de Janeiro nao. O que e’ totalmente compreensivel. O computador conectado `a internet e’ como meu cordao umbilical com o Brasil. Tem quase 3 anos que estou aqui e sempre mantive lacos com meu pais. Ainda tenho conta no Banco Real, celular e clientes la. Meu quarto esta intocado como eu deixei. E toda vez que eu volto, depois de um tempo, parece que nunca sai’. Me faz bem manter esse contato. Isso nao quer dizer que sempre evitei a cultura daqui. Ja tentei aprender e gostar da cultura americana mas depois de um tempo vi que nao adiantava forcar.

E em janeiro eu estabeleci mais um nivel de conexao com o Brasil: O Alejandro (que apesar do nome, mora no Rio). Parece que cada vez eu crio mais lacos com o Rio. Mesmo sem procurar, as coisas vao acontecendo dessa forma. Pra quem ja morou fora do Brasil em epocas pre-interneticas, morar agora ‘e um luxo. Da pra se sentir bem mais proximo. Ontem eu e Alejandro ficamos estudando “juntos”. Ele tinha que fazer um relatorio pra faculdade e eu tinha que estudar 3D. Entao a gente deixou o skype ligado so pra ficar mais proximo, so fazendo um comentario ou outro de vez em quando. Eu ouvia o barulho dele teclando, ele ouvia meus clicks de mouse… essas coisas doidas que alguem de uma geracao anterior nao entenderia. E na hora de dormir a gente se ve na webcam, da um beijo na tela ou no microfone e boa noite. Parece maluquice, mas a gente tem que viver com o que tem disponivel. Tenho certeza de que em breve alguem vai inventar o abraco virtual. Nao esta longe nao…

***
06/02: Sou grata por… ter conhecido o Alejandro esse ano. Ele no minimo serviu para setar um parametro na minha vida. Para me mostrar que nao temos que nos contentar com um amor mais-ou-menos e que uma mulher (qualquer mulher) merece ser muito amada e bem-tratada.

Anúncios

Comentários»

1. Luciana - fevereiro 7, 2007

Se for maluquice, então eu devia estar no hospício há muito tempo! 😀

Adorei a definição “cordão umbilical”… é mesmo assim que vejo a internet quando estou longe.

ps. TODAS as pessoas merecem ser muito amadas e bem-tratadas… mas só as mulheres esquecem disso com facilidade. E é tãããããoooo bom ter isso bem claro! 🙂

2. Leonardo - fevereiro 7, 2007

Melzinha,

Duas observações:
1) Você não tem idade prá ter vivido fora do Brasil em época pré-internética! 😉 Eu colaborei com a instauração do Comitê Gestor Internet Brasil em 1990/91!
2) Já existe o abraço virtual. São wired jackets que permitem ao usuário sentir uma pressão no tórax enquanto outra pessoa o/a abraça virtualmente. A aplicação é nova mas o princípio é antigo, utilizado em G-vests, vestimentas que vão por cima do macacão de um piloto de caça que pressionam partes do corpo (especialmente pernas e tórax) para combater o refluxo de sangue nos membros inferiores durante manobras de muita gravidade positiva (G+), que geralmente tiram a oxigenação do cérebro (falta de sangue no cérebro). O princípio, como disse, é o mesmo…

Beijo,

3. Mel - fevereiro 7, 2007

Oi Leo,

Quando eu morei nos EUA pela primeira vez (em 1996) ja existia internet mas nao tinha nem na minha casa e nem na escola. Ou seja, pra mim nao tinha 😛

E acho que ja falamos desse lance do abraco virtual. Lembrei agora 😉

Beijocas

4. camila - fevereiro 8, 2007

Mel,
Interessante voce falar sobre a importancia da internet. Quando ainda estava no Brasil terminando a faculdade, era pela internet que namoravamos. Isso durou quase um ano e meio, e se nao fosse a internet acho que nosso relacionamento nao teria sobrevivido. Nos faziamos como voce. Ligavamos o microfone e a camera e cada um fazia o que tinha que fazer. Ficavamos “hanging out” pelo computador. As vezes jogavamos uns joguinhos pela net, as vezes conversavamos, mas muitas vezes, so estavamos “ali” um com o outro.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: