jump to navigation

Um museu pra cada dia da semana agosto 31, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
5 comments

Aqui em Paris, se bobear, tem um museu pra cada dia do ano. Como fiquei uma semana, escolhi um museu pra cada dia da semana. Foi uma sobrecarga cultural que eu amei e vou levar um tempinho pra digerir. Comecei pelos museus tradicionais que ja tinha ido antes (ha 11 anos atras): Louvre, Orsay e George Pompidou. Todos continuam maravilhosos. No Orsay levei bastante tempo numa exposicao temporaria que estava otima. Alem desses conheci 3 museus novos dessa vez: Picasso (recomendacao da Marcela), Cite de la Science (museu enorme de ciencia, super interativo e muito legal) e o Musee du Quai Branly. Esse ultimo e’ um museu sobre as diferentes culturas do mundo dividido por continente: Oceania, Asia, Africa e Americas. O museu ‘e incrivel, sensacional. Para terem uma nocao, passei 8 horas la ante-ontem e mesmo assim nao consegui ver tudo. Tem milhares de objetos, explicacoes, videos, sala de video e som. Fora o design do museu que e’ maravilhoso. Fica bem pertinho da torre Eiffel entao vale a pena passar o dia la e depois ir fazer um pic-nic na base da torre e descansar. Fica ai minha recomendacao.

E hoje e’ meu ultimo dia em Paris. Amanha de manha estou indo passar o fim de semana em Londres e na 2a feira volto pros Estados Unidos. Ai ai ai ai… Ta chegando a hora!!!

Anúncios

Meu jantar no restaurante chique de Paris: McDo agosto 29, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
7 comments

Eu nao como nunca no McDonald’s. O ambiente vermelho e laranja, fedendo a gordura, decorado com imagens daquele palhaco horroroso e com trilha sonora de hip-hop pra pior definitivamente nao me atrai.

Aqui em Paris eu resolvi entrar num Mc pra ver se o que dizem no Pulp Fiction e’ verdade. Sim, o quarteirao com queijo, que nos Estados Unidos se chama Quarter pownder with cheese, aqui se chama Royal Cheese. “They have the metric system, they don’t know what the f*ck a quarter pownder is”. Dialogos a parte, vamos ao que interessa. Fiquei impressionada com o McDonald’s que fica em frente ao Jardin du Luxembourg. Chamado aqui de McDo, o lugar e’ como um restaurante chique. A musica ambiente eletronica ja deixa o lugar com jeito de lounge. Cadeiras com design moderno. Iluminacao discreta combinada com decoracao em tons de marrom e creme. Ao inves de imagens de palhaco, fotografias artisticas de comida decoram paredes inteiras. Os lustres sao lindos, enormes e discretos. O andar de baixo tem um ambiente mais “restaurante”. E meu jantar nao foi nada estilo fast-food: salada nicoise com molho vinaigrette a base de mostarda, Croque McDo (versao McDonald’s do Croque Monsieur) e suco de laranja. De sobremesa:  iogurte com frutas vermelhas seguido por um McCafe. Tudo isso por 8.25.

As fotos vem depois pra ilustrar esse episodio Parisiense. 😉

VIP no Musee d’Orsay agosto 28, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
3 comments

Hoje minha programacao era ir ao Musee d’Orsay. Sai do albergue, peguei o metro, e depois de 3 conexoes desci na estacao Musee d’Orsay as 11:30. Assim que sai do metro me deparei com uma fila quilometrica que dava varias voltas ate entrar no museu. Acho que eu e a toda a torcida do Flamengo resolvemos visitar o Orsay no mesmo dia. Na hora eu ja decidi que nao ia ficar naquela fila. Comecei a pensar em planos alternativos pro dia de hoje e resolvi perguntar pro seguranca que ficava na entrada lateral se tinha como comprar ingresso para amanha ou depois. O seguranca me disse que tinha como comprar antecipado e perguntou se eu gostaria de visitar o museu hoje. Eu disse que sim, mas que a fila estava grande demais e eu nao queria esperar (o dialogo todo em frances). Ele perguntou se eu estava sozinha e eu disse que sim. Nisso o cara simplesmente aponta pra porta lateral e me diz “S’il vous plait”. Uh la la! Merci beaucoup!!! E eu entrei no Orsay assim, sem fila nenhuma. Ainda paguei tarifa redizida so por ter cara de mais nova.

Todo mundo fala da fama de mal-educado dos franceses (principalmente Parisienses), mas aqui em Paris eu to tendo a experiencia totalmente oposta. Estou sendo muito bem tratada por todos que encontro. As pessoas sorriem, sao simpaticas, conversam, fazem piadinhas. No metro, sem eu pedir, algumas vezes ja vieram me perguntar se eu precisava de ajuda. Agora eu me pergunto: Sera que isso tudo e’ so porque eu falo frances com direito s’il vous plait, merci, monsieur e madame? Sera que se eu chegasse falando ingles tudo seria diferente? Vai saber…

Engracado e’ que na Italia aconteceu algo similar. Eu era muito bem tratada por todos. Tive uma otima experiencia com os italianos. Depois, conversando com outros viajantes, conheci muita gente que nao foi bem tratada na Italia. Ja me disseram que comigo era diferente pois tenho cara de italiana e arranhava um pouco no idioma deles.

A conclusao que eu chego e’ que e’ preciso ser humilde para viajar. Tentar falar o idioma, respeitar os habitantes e a cultura local. Acho que e’ isso.

Uh la la, Paris! agosto 27, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
6 comments

Acho que alem de Nova York, Paris tambem e’ uma cidade que nunca dorme. Parece que aqui existem infinitas coisas a se fazer, milhares de lugares lindos pra ver, multiplas atividades culturais, restaurantes e lojas maravilhosos. Por esse motivo e’ que eu resolvi ficar aqui uma semana inteira. Cheguei na 6a a tarde e so vou embora no sabado que vem de manha. E tenho certeza de que terei coisa pra fazer o tempo todo.

Na 6a, depois de me localizar aqui no albergue (que e’ o maior da Franca, tem refeitorio, bar, lavanderia, internet e mais de 400 camas), fui a Montmartre. Nunca tinha visto essa area a noite e e’ realmente linda.

No sabado de manha fui tomar cafe da manha aqui no albergue e depois acessar a internet. Nisso conheci um Italiano figura que so queria saber de falar frances. Ele e’ professor na cidade de Prato na regiao da Toscana na Italia. E’ mais velho, deve ter quase a idade da minha mae, parece mesmo um professor pois anda sempre com o guia e 2 dicionarios na mao (italiano-frances e ingles-italiano). Trocamos uma ideia (sempre em frances) e ele resolveu me acompanhar ao Louvre. Acabou que foi uma cia super agradavel. Ficamos umas 6 horas no museu e eu pude praticar mto meu frances. Ate pq a cada palavra que eu nao sabia ele procurava no dicionario e me dava uma aulinha. Bem professor mesmo. Depois descansamos com os pes nas aguas das piramides do Louvre, andamos pela cidade e aproveitei que tinha companhia pra jantar fora. Comi scargot pela primeira vez na vida. Achei uma delicia mas prefiro nao pensar no que estava comendo de fato. E depois comi pato. Minha culinaria tem sido bem diversa ultimamente.

Hoje, domingo, passei a manha e parte da tarde num mercado de pulgas enorme. Parece a Uruguaiana elevada a 10a potencia. Gente e mercadoria de todo tipo por la. Uma experiencia bem interessante. Como ja tinha perdido parte do dia no mercado resolvi nao ir a museu hoje e fui fazer o trajeto turistico tradicional. Peguei o metro pra Torre Eiffel. A fila estava quilometrica entao nao resolvi subir de imediato. Estendi minha canga no gramadao em frente e fiquei la ouvindo um som, descansando e olhando pra ela. Maravilha! Depois disso fui ao arco do triumfo e andei por Champs-Elysees. Fiquei olhando aquelas lojas chiquerrimas e pensando que tem gente com muito dinheiro nesse mundo. Ja estava de noite e resolvi voltar para a Torre Eiffel. Por volta de 11 da noite ja nao tinha mais fila nenhuma e foi ai quando subi. Resolvi dar uma de corajosa e ir de escada mesmo (alem de ser mais barato ainda queima calorias). Na descida fiquei mais um tempo sentada admirando essa torre que e’ mais um icone do que bonita. Pensei que quero fazer um queijos e vinhos comigo mesma um dia desses a noite ao pe da torre.

Fondue de queijo e carne de cavalo agosto 24, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
2 comments

Minha visita a Suica esta chegando ao fim. Ontem fui comer um tradicional fondue de queijo que, diga-se de passagem, foi o melhor da minha vida. Tambem nao era pra menos ja que vim comer direto na fonte.

Hoje passei o dia em Genebra. Foi tao facil ir de Lausanne pra la de trem. Almocei com meu amigo Tom (alemao que conheci em Princeton) e depois vi um sitio arqueologico da catedral de Genebra. Mais tarde tomamos um cafe juntos e andamos um pouco pela cidade. A noite encontrei com meu amigo Suico Sebasten (tambem da epoca da Siemens). Ele e’ Suico aqui de Lausanne mesmo e me levou para um restaurante de comida tradicional. Pedi para ele me recomendar algo que nao fosse fondue e ele disse que o pessoal daqui come muita carne de cavalo. Nossa, isso foi novidade pra mim. Mas pq nao experimentar? E achei uma delicia. Depois ainda fomos num bar mto legal aqui.

Hoje ja reservei meu lugar no TGV pra Paris amanha as 13h. Em 3h30 estou chegando na Gare de Lyon. Reservei tambem o albergue e esta tudo perto pra minha semaninha maravilha em Paris. eeeeeeeee! C’est la vie, non? Aproveitando os ultimos dias do mega mochilao pela Europa.

Proximo post diretamente de Paris!

Ciao Italia! Salut Suisse! agosto 22, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
3 comments

Viajar pela Europa e’ assim: em poucas horas voce muda completamente de tudo. Novo pais, nova arquitetura, novo clima, novas pessoas, novo idioma. Sair da Italia pra Suica foi uma mudanca incrivel. Eu adorei o tempo que passei na Italia. Foram ao todo 19 dias. Achei o povo e a cultura muito parecido com a brasileira. E’ meio baguncado, mas ao mesmo tempo funciona. E’ possivel dar um “jeitinho”, chegar atrasado, pedir pra mudar uma coisa aqui e outra ali. Fora que a interacao entre pessoas e’ muito maior e as pessoas sao mais alegres. Parecem que sabem aproveitar bem a vida. E sabem aproveitar bem as refeicoes. Como no Brasil, gastam-se boas duas horas num jantar. E come-se muito bem. Se bem que estou pronta para dar uma pausa das massas, hehe.

Engracado era ver algumas pessoas vindo falar comigo em Italiano. Dizem que tenho cara de Italiana, mas na hora nao entendia muita coisa.

Chegando na Suica, ja deu para ver a diferenca. O pessoal aqui faz relogio, entao ja vou esquecendo o “jeitinho” pra chegar atrasada nos lugares. Mas tudo bem, porque a Suica e’ linda demais entao vale a pena. Estou em Lausanne agora. A cidade fica numa montanha a beira do Lago Lemain. De varios pontos da cidade da para ver o lago e os alpes. Amanha vou para Genebra.

Como Lausanne esta tao perto de Paris e eu quero ficar bastante tempo por la, resolvi abandonar minha ida a Munique dessa vez. Se nao eu ia perder muito tempo no trem e ficaria com menos dias em Paris. Dessa forma, acho que ja na 6a feira estou indo pra Paris e por la fico uma semana inteira.  Oh la la!

Italia para turistas agosto 16, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
5 comments

Minha passagem pela Italia comecou no Sonica na regiao de Liguria e continuou em Cinque Terre. De la fui pra Florenca onde fiquei 3 dias. Reparei que os Italianos dao o fora no mes de Agosto e as cidades principais ficam entregues a turistas. Muitas lojas estao fechadas para ferias, nao tem transito e os pontos turisticos estao lotadissimos.

Em Florenca o centro parecia um mar de turistas. Pra quem quiser visitar nessa epoca nao esqueca de reservar o albergue com antecedencia e tambem reservar se quiser ver a Accademia (onde esta David de Michelangelo) e a Galeria Ufizzi (que contem varias obras do renascimento incluindo ‘O nascimento de Venus’ do Boticelli). Para as demais atracoes tambem tem fila. Alem da Accademia e Ufizzi eu tambem entrei no Palazzo Vecchio e subi no duomo para ver a cidade de cima, o que vale muito a pena. Minha hospedagem em Florenca foi uma diversao a parte pois os italianos donos do albergue eram umas figuras. Dois irmaos engracadissimos que faziam questao de interagir (e falar em Italiano) com todos. Parecia que eu estava ficando hospedada na casa deles.

De Florenca vim pra Roma. A cidade e’ famosa pelo transito caotico mas nessa epoca do ano nao e’ o transito que bomba, sao as filas e o calor. Esperei um tempao pra entrar na S Peters Basilica no Vaticano e acabei nao querendo enfrentar outra fila para ver a Capela Sistina. A cidade toda e’ muito interessante. Monumentos lindissimos e ruinas pra todo lado. Tambem tenho comido muito bem aqui em Roma. Se voce souber onde ir encontra tratorias maravilhosas por precos em conta. A area de Trastevere e’ muito legal pois alem de varios restaurantes tem muitos bares e lojinhas na beira do rio.

Amanha vou pra Veneza onde passo 2 noites e de la ainda passo um dia em Bologna antes de me mandar pra Suica. Arrivederci!

Cinque Terre agosto 12, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
4 comments

A regiao de Cinque Terre tem uma beleza de cair o queixo. Em 3 dias devo ter tirado mais de 100 fotos pois a cada passo via uma paisagem mais linda que a outra e nao podia deixar de fotografar.

Fiquei hospedada em Riomaggiore, a primeira das 5 cidades. Dividi um ap de 2 quartos, cozinha e banheiro com outras 4 pessoas bem na rua central da cidade (que e’ micra). Foi otimo esse esquema de ter um ap. Mais conforto e mesmo preco de albergue.

A regiao de Cinque Terre fica num parque nacional e voce precisa pagar para usar a trilha que liga as cidades. Sao 9km de trilha com visuais lindissimos. Por 13,50 euros comprei o passe de 2 dias com direito a trem. Assim pude fazer parte a pe e parte de trem. Vale a pena pois depois de andar por horas nao vale a pena fazer a trilha de volta.

As trilhas sao bem organizadas e saem do centro de uma cidade a outra. De Riomaggiore a Manarola sao somente 20 minutos a pe e a trilha se chama Via del’amore. E’ mais um passeio do que trilha.

De Manarola a Corniglia sao uns 45 min. Tem uma praia de pedras no meio do caminho, uma outra que precisa pagar 5 euros pra entrar e um visual lindo durante todo o percurso.

Corniglia foi a cidade que mais gostei. E’ a menorzinha e mais charmosa. Como Manarola, nao tem praia, mas tem uma marina pequena e bem legalzinha de onde saem barcos e se pode mergulhar no mar. As ruas sao estreitinhas e as casinhas lindas. Tem lojinhas de produtos tipicos, bares e restaurantes. Corniglia tambem tem um mirante com uma vista absurda que me deixou sem palavras por uns bons minutos. Quanto voltar a Cinque Terre vou querer ficar hospedada la.

A trilha de Corniglia a Vernazza e’ bem mais punk: 1h30 de subidas e descidas. Tive que parar varias vezes. Como o visual era lindo, parar era obrigatorio.

Vernazza e’ uma cidade maiorzinha e menos charmosa que as outras. Vale a pena conferir mas nao perder muito tempo.

O caminho de Vernazza a Monterosso tambem dura 1h30 mas estava fechado por causa de um deslizamento que deu durante uma chuvarada na 3a de manha. Fiz o percurso de trem para poder conhecer a ultima cidade. Monterosso e’ a maior delas e a unica com praia de areia. Grande parte da praia e’ reservada para clientes de bares e hoteis, o que deixa pouco espaco livre para os demais banhistas. Acaba ficando lotado demais.

Valeu a pena conhecer essa regiao da Italia. A unica coisa que me decepcionou foram as praias. As poucas que tem sao de pedra, com pouco espaco para relaxar e curtir o sol. E’ um lugar mais para fazer trilhas e apreciar paisagens incriveis. Eu estava esperando tambem ver praias lindissimas de aguas transparentes mas isso nao teve tanto. Mesmo assim, recomendo. Em breve voces vao poder ver nas fotos e tirar as proprias conclusoes.

Festival em dose dupla: Fullmoon e Sonica agosto 10, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in viagens.
2 comments

Minha viagem teve uma pausa para os comerciais. Resolvi emendar 2 festivais: Fullmoon na Alemanha e Sonica na Italia. Do Fullmoon viajei umas 22h de trem para a regiao de Liguria na Italia, bem perto de Cinque Terre (pra onde fui depois). Passei um bom tempo acampando em lugares sem internet ou celular, por isso o sumico do blog. Ai vao minhas impressoes:

Fullmoon

  • Com certeza, o festival com maior numero de doidos que ja fui. Me sentia normal demais perto das outras pessoas.
  • Pra chegar foi facilimo. Organizacao e pontualidade alemas. Pegamos um trem de Berlim ate Wittstock (1h40) e de la tinham varias vans levando o pessoal pro festival. A entrada e o camping estavam bem organizados e o line-up seguia a programacao religiosamente (o que normalmente nao acontece em festivais no Brasil).
  • O clima foi o unico ponto negativo. Muita chuva, vento e frio. Nem parecia verao. Choveram quase todos os dias e so foi fazer sol no ultimo. Eu usava sempre todos os casacos que eu tinha e ainda assim sentia frio. Pelo menos minha barraca passou no teste de vento, chuva e frio.
  • Fiz muitos amigos mas a maioria brasileiros. Passei grande parte do tempo na barraca do Maromba, um “hippie” brasileiro de 42 anos, gente fina ate dizer chega, que todo verao viaja pelos festivais da Europa fazendo sua arte. Faz o maior sucesso com os europeus e recebe diversas encomendas. O bom era que sua barraca ficava bem em frente ao prog stage e eu podia assistir a festa de camarote.
  • Quanto a musica, era so trance. Full-on, dark e progressivo. Passei a maior parte do tempo no prog ou no chill-out, que estava um luxo.
  • Os lasers da pista principal a noite misturados com as fumacas produzidas pelas maquinas eram um must! Os festivais do Brasil precisam copiar.
  • Como o nome do festival diz, a lua estava cheissima e maravilhosa.
  • Durante o festival quase nao via meu amigo Leo que quando nao estava curtindo dark, estava dormindo.

Sonica

  • Mamma mia, Italia! Logo na chegada ja deu pra ver a diferenca de um festival organizado por alemaes e um organizado por Italianos. Chegando na estacao de La Spezia ficamos 3h esperando pelo onibus do festival sem a certeza se teria lugar ou nao. Eu tava encarando tudo tao na boa, tao feliz de ja estar na Italia, que nos fomos no ultimo onibus, nem pagamos e ainda fizemos varios amigos na estacao.
  • Chegando no festival o perrengue para entrar foi esquecido imediatamente. Que festival mais lindo e que lugar! No meio de montanhas lindas, vista maravilhosa e natureza pra todo lado. O camping era no meio da floresta.
  • Pro meu gosto, a musica desse festival estava muito melhor pois alem de trance rolava bastante minimal, electro e ate reggae, dub e ambient no ultimo dia.
  • Diferente do Fullmoon que so botava full-on e dark no main stage, o Sonica so botava esse tipo de musica a noite e de manha. Entao eu podia curtir prog, minimal ou electro durente toda a tarde no palco principal e a noite descer pro palco alternativo e continuar curtindo meu tipo de musica.
  • Os sets mais marcantes foram D-Nox e Perfect Stranger a tarde no palco principal. Musica e ambiente perfeitos!!!!
  • O lugar era tao lindo que varias vezes eu parava para apreciar a beleza daquelas montanhas. Tambem era possivel subir nas montanhas e ver a festa toda de cima.
  • Falando em beleza, nunca vi uma concentracao tao grande de homem bonito por metro quadrado. Os Italianos ganharam meu voto de povo mais bonito. Mamma mia! Eu nao sabia se dancava, apreciava a beleza do local ou das pessoas. Bravissimo, ragazzi!
  • Falando em pessoas: ai estava mais uma diferenca de um festival na Alemanha para um festival na Italia. A interacao entre pessoas era muito maior no Sonica. Muito mais facil de fazer amigos. A cultura Italiana e’ muito mais parecida com a brasileira. E o povo tambem.
  • Tinha muito brasileiro la. Ouvia portugues a todo instante.
  • Esse festival passou uma mensagem muito legal de consciencia ecologica. Os sacos de lixo eram divididos para reciclagem, sempre se via gente recolhendo lixo e se voce enchesse um copo com filtros de cigarro que estavam no chao, ganhava uma cerveja gratis. Vi um monte de gente recolhendo na pista. Pelo que li, a natureza leva anos para desintegrar bitucas de cigarro. E todo fumante as joga no chao.
  • Definitivamente festivais sao os melhores lugares para se conhecer pessoas locais. La conheci Italianos que amavam o Brasil e falavam portugues perfeito.
  • Como sempre, e’ um lugar muito divertido para observar pessoas. Peguei em video um Italiano deitado no meio da floresta falando com as arvores e um americano de Sao Francisco peladao pintado de roxo dos pes ao cabelo. Que animacao!