jump to navigation

Many lives, many masters junho 1, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in livros.
4 comments

manylives.gifEsse e’ o primeiro livro escrito pelo Brian Weiss que basicamente o transformou no que ele e’ hoje. Antes da experiencia relatada nesse livro ele era um psiquiatra ortodoxo e cetico. Nesse livro ele relata o seu relacionamento com uma paciente chamada Catherine. Depois de meses de terapia convencional nao apresentando muita melhora ele resolveu apelar para a hipnose e disse a Catherine para visualizar o momento onde seus problemas comecaram. Pra surpresa dele, ela se transportou para uma vida passada ha mais de 4000 anos atras. Nas sessoes subsequentes ela continuou tendo visoes de diversas vidas passadas e tambem do estado “entre vidas” onde ela recebia mensagens de espiritos mestres (com sabedoria acima da maioria). Ao sair do estado hipnotico ela se lembrava de tudo relacionado a vidas passadas porem nao se lembrava de nenhuma mensagem dos mestres. As mensagens nao eram pra ela — eram para o Brian Weiss — e ela era somente o meio. Durante esses momentos ela falava de fatos da vida do Brian que eram tao precisos e ninguem mais sabia.

Bem impressionante a historia relatada no livro. Trata-se de uma historia real. Depois de ler tantas historias semelhantes eu passo a acreditar cada vez mais em vidas passadas e na imortalidade da alma. Me da toda uma nova perspectiva em relacao a vida. Uma perspectiva tao melhor.

Agora estou terminando uma serie de 3 livros curtos do Brian Weiss que vem com CDs com exercicios de meditacao, regressao e reducao de estresse. Tambem estou lendo um livro curto do Lourenco Prado. Fora isso, acabei de receber um e-mail de uma promocao para comprar todos os livros do Paulo Coelho por 99 realezas. Parece que quanto mais eu leio, mais eu quero ler. E a jornada so esta comecando! Uhu!

Anúncios

Through time into healing maio 21, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in livros.
5 comments

through_time.jpgEsses dias terminei de ler mais um livro da minha maratona Brian Weiss. Os livros todos giram em torno do mesmo assunto e são sempre muito interessantes. A leitura é rápida e fácil de assimilar. Esse livro fala sobre como curar problemas psicológicos através da terapia da regressão. Cada capítulo se foca em um tipo de problema e ilustra com estudos de caso. Como os outros, o livro também fala sobre espiritualidade em geral.

Uma parte interessante fala que nossos problemas e obstáculos atuais não são randômicos ou acidentais. Eles são designados para acelerar nosso progresso espiritual. Esses desafios nos ensinam sobre amor, inveja, raiva, etc. São nos momentos difíceis que mais crescemos e progredimos. Superar barreiras e obstáculos aceleram nossa evolução. Momentos fáceis são considerados como “descanso”.

O livro ainda diz que são as almas mais fortes que escolhem passar por momentos desafiadores pois estes proporcionam mais oportunidades de crescimento.

Isso me fez pensar nos momentos mais difíceis da minha vida e em como eles me fizeram evoluir. Isso faz com que eu viva cada vez mais sem medo de aceitar desafios, sem medo de ir pelo caminho mais difícil se eu achar que esse é o melhor caminho pra mim. Não quero nunca me acomodar e ficar passiva diante da vida, vendo o tempo passar. Diga não à mediocridade! Com o tempo a gente descobre que é muito mais forte do que imagina.

Pra finalizar, deixo uma frase do livro.

Time is not as we see time, but rather in lessons that are learned.

Only love is real maio 9, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in livros.
2 comments

love.gifNunca tinha me acontecido de terminar um livro e pensar “Droga. Queria ler mais”. Sabe quando vai terminando e você vai tentando ler mais devagar para durar mais? Isso pq o próximo livro ainda está à caminho então não terei nada de interessante para ler à noite. Ohhh! Fim do mundo! hehehe

Brincadeiras a parte, esse é um livro que pela imagem da capa e pelo nome eu não leria de jeito nenhum. Parece um daqueles romances de 5a categoria tipo “Sabrina” que vende nas bancas por $9.99. Mas como o livro é do Brian Weiss e a resenha me pareceu muito interessante, resolvi escolher esse. O livro conta a história de 2 pacientes que estavam fazendo terapia com o Brian Weiss na mesma época mas não se conheciam. Só que ambos relatam histórias de vidas passadas muitíssimo parecidas. Ambos estavam à procura de amor e não encontravam em ninguém. Enfim… o livro segue a mesma linha de “Muitas vidas, uma só alma” porém se foca nessas duas pessoas. Conta as várias sessões de cada um sob a perspectiva do psiquiatra. Não teria me interessado caso a história não fosse real. Isso é realmente muito intrigante.

Como o outro, o livro é muito bem escrito. Relata com detalhes as sessões dos dois pacientes e faz paralelos com assuntos relacionados. Como eu tenho me interessado muito por esses assuntos, li o livro em uma semana. Esse livro foi, pra mim, daqueles que você sai do ônibus e continua lendo enquanto anda mesmo sabendo que corre o risco de ser atropelada por aí.

A possibilidade de vidas passadas me faz pensar tanto. E de uma forma nova pra mim. Acho que a principal lição é a seguinte: devemos fazer o bem e semear o amor. Não fazer inimigos, não sentir raiva, rancor ou nenhum tipo de sentimento negativo. Pq a sua existência não termina quando você morre. É como se você – nessa vida – estivesse dirigindo um carro. O carro, neste caso, é o corpo. Ele não é você. A alma é você. Numa próxima vida você só troca de carro. E se fizer tudo direitinho troca o fusquinha por uma ferrari. 😉

Esse assunto veio pra mim como algo que me identifico absurdamente. Muito legal descobrir isso, poder ler, me aprofundar. O próximo livro será do Brian Weiss também. Sei que estou parecendo disco arranhado mas to aproveitando que tô empolgada com os livros dele para continuar lendo — como se fosse um livro só. Depois de Brian Weiss já tenho vários outros livros na lista.

Muitas vidas, uma só alma maio 4, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in livros.
13 comments

brian-weiss.jpgEsse livro eu devorei em uma semana. Na primeira “sentada” já li umas 50 páginas sem desgrudar os olhos. Nem diria que é o melhor livro do mundo mas me identifiquei demais com o assunto. O autor é o psicólogo americano Brian Weiss que hoje em dia faz terapia de regressão à vidas passadas com seus pacientes. Ele teve uma educação ortodoxa e sempre foi cético, porém mudou de opinião após o tratamento de uma paciente específica que ele relata num outro livro: Muitas vidas, muitos mestres.

O livro conta o caso de vários pacientes que em regressões à vidas passadas descobriram os motivos de sofrimentos dessa vida. Muito legal pensar na imortalidade da alma. Ou seja, a vida não começa e termina aqui. É apenas mais um estágio. Mais uma oportunidade de evoluir. Afinal quem está aqui é porque ainda precisa evoluir e aprender.

Uma parte do livro diz que a rapidez de nossa evolução espiritual depende do nosso livre-arbítrio. Em todos os aspectos de nossas vidas podemos escolher a decisão amorosa. Fazendo assim, nossas almas evoluirão.

E o tal do destino?
O uso correto do livre-arbítrio pode nos colocar no caminho de nosso destino. Por outro lado, escolhas incorretas podem nos afastar dele e atrasar nosso progresso espiritual. Ou seja, haja sensibilidade para nos dar a luz de qual decisão tomar. Que caminho seguir.

Segue uma passagem bem interessante do livro que me esclareceu muitas coisas. Nunca fui religiosa e me sentia um tanto culpada por isso. Me sentia culpada ao admitir que não frequentava igreja, não rezava, não deixava de comer carne em certas ocasiões, essas coisas… Hoje me identifico muito com a vida espiritual sem sentir a necessidade de seguir uma doutrina específica. Eu penso assim: pra que viver condicionado à regras? Eu acredito no amor. Sem regras mesmo. O amor é a base de tudo nessa vida. Não preciso seguir regras para ser uma pessoa melhor, mas se eu espalhar meu amor aos outros, isso se espalha e a recompensa vem naturalmente.

Ser espiritualizado significa ter mais compaixão, mais cuidado e mais bondade. Significa lidar com as pessoas com amor no coração, sem esperar nada em troca. Significa saber que há algo maior que nós mesmos, uma força que existe numa esfera que temos que perseverar para descobrir. Significa entender que há lições mais elevadas para serem aprendidas e, depois que a tivermos aprendido, haverá outras ainda mais elevadas. O potencial para a espiritualidade existe em cada um de nós e precisa ser acessado.
Você não precisa ser religioso para ter espiritualidade.

Me identifiquei muito com a passagem acima e também com a seguinte frase:

Você não é um ser humano que tem uma experiência espiritual. Você é um ser espiritual que tem uma experiência humana.

Pra mim, faz todo o sentido.
Quero aprender mais. Já estou na metade de um outro livro dele. Depois comento aqui.

O Jardim do Diabo abril 27, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in livros.
5 comments

jardim-diabo.gifTerminei de ler mais um livro esses dias. “O Jardim do Diabo” – primeiro romance escrito por Luis Fernando Verissimo – foi uma encomenda da agência de publicidade MPM, para ser dado como presente de natal a seus clientes em 1987. O livro foi totalmente revisto pelo autor e relançado recentemente.

O livro conta a história de um escritor de romances policiais de 5a categoria, desses que são vendidos em bancas de jornais, que começa a ver suas histórias se misturando com acontecimentos na vida real (ou não).

Eu acho o Verissimo um gênio. Humor inteligente, ironia fina e reflexões bem-humoradas. Totalmente recomendado!

Agora vou voltar pras minhas leituras espirituais pois tenho andado mais no mood pra isso ultimamente.

O Monte Cinco março 21, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in livros.
6 comments

getimageasp.jpegHoje terminei de ler O Monte Cinco do Paulo Coelho. O livro passa uma mensagem legal, tem passagens legais mas ainda prefiro bem mais a história dO Alquimista. Vejo uma relação bem legal com minha própria história de vida. Depois escrevo sobre isso aqui.

Resolvi destacar o seguinte diálogo dO Monte Cinco que achei muito legal:

– As tristezas não ficam para sempre, quando caminhamos em direção àquilo que sempre desejamos.
– Sempre é preciso partir?
– Sempre é preciso saber quando acaba uma etapa na vida. Se você insistir em permanecer nela além do tempo necessário, perde a alegria e o sentido do resto. E se arrisca a ser sacudido por Deus.
– O Senhor é duro.
– Só com os escolhidos.

Só com os escolhidos. Isso não vai sair da minha cabeça…

Muita paz à todos.

O alquimista fevereiro 7, 2007

Posted by Melissa Quintanilha in livros, textos.
4 comments

alquimista.gifFinalmente estou lendo “O alquimista” do Paulo Coelho. O livro é maravilhoso e fala de tantas coisas que só de uns tempos pra cá fui tomar consciência. Talvez seja por isso que só nesse momento fui pegar o livro para ler. E em português, o que é melhor.

Hoje no almoço li uma passagem tão linda que resolvi copiar e colocar aqui.

Então foi como se o tempo parasse, e a Alma do Mundo surgisse com toda a força diante do rapaz. Quando ele olhou seus olhos negros, seus lábios indecisos entre um sorriso e o silêncio, ele entendeu a parte mais importante e mais sábia da linguagem que o mundo falava, e que todas as pessoas da terra eram capazes de entender em seus corações. E isto era chamado de Amor, uma coisa mais antiga que os homens e que o próprio deserto, e que no entanto ressurgia sempre com a mesma força onde quer que dois pares de olhos se cruzassem como se cruzaram aqueles dois pares de olhos diante de um poço. Os lábios finalmente resolveram dar um sorriso, e aquilo era um sinal, o sinal que ele esperou sem saber durante tanto tempo em sua vida, que tinha buscado nas ovelhas e nos livros, nos cristais e no silêncio do deserto.

Ali estava a pura Linguagem do Mundo, sem explicações, porque o Universo não precisava de explicações para continuar seu caminho no espaço sem fim. Tudo o que o rapaz entendia naquele momento era que estava diante da mulher de sua vida, e sem nenhuma necessidade de palavras, ela devia saber disto também. Tinha mais certeza disto do que de qualquer coisa no mundo, mesmo que seus pais, e os pais de seus pais dissessem que era preciso namorar, noivar, conhecer a pessoa e ter dinheiro antes de se casar. Quem dizia isto talvez jamais tivesse conhecido a Linguagem Universal, porque quando se mergulha nela, é fácil entender que sempre existe no mundo uma pessoa que espera a outra, seja no meio de um deserto, seja no meio de grandes cidades. E quando estas pessoas se cruzam, e seus olhos se encontram, todo o passado e todo o futuro perdem qualquer importância, e só existe aquele momento, e aquela certeza incrível de que todas as coisas debaixo do sol foram escritas pela mesma Mão. A Mão que desperta o Amor, e que fez uma alma gêmea para cada pessoa que trabalha, descansa e busca tesouros debaixo do sol. Porque sem isto não haveria qualquer sentido para os sonhos da raça humana.

E segue mais uma passagem sobre o que disse um adivinho:

Quando as pessoas me consultam, não estou lendo o futuro; estou adivinhando o futuro. Porque o futuro pertence a Deus , e ele só revela em circunstâncias extraordinárias. E como consigo adivinhar o futuro? Pelos sinais do presente. No presente é que está o segredo; se você prestar atenção no presente, poderá melhorá-lo. E se você melhorar o presente, o que acontecerá depois também será melhor. Esqueça o futuro e viva cada dia de sua vida nos ensinamentos da Lei, e na confiança de que Deus cuida dos seus filhos. Cada dia traz em si a eternidade.

Bem no estilo “The Secret”. Perfeito! 😀

***
07/02: Sou grata por… ter os pais que tenho. Eles são a minha base, meu porto seguro. Agradeço por sempre terem me entendido e apoiado minhas decisões. Por sempre terem me mostrado o melhor caminho. Por acreditarem em mim e me incentivarem a sempre correr atrás dos meus sonhos.